segunda-feira, 22 de junho de 2015

SE TU FOSSES O MAR


(RÔ Campos)

Se tu fosses o mar
Eu baixaria as velas,
E deixaria meu barco me levar
Ao sabor das tuas ondas.

E, se por acaso me perdesse,
Eu me jogaria nos teus braços.
Pra sentir o teu calor.
Indo muito além da superfície.

Se tu fosses o mar,
Eu mergulharia de olhos fechados
Até a tua profundidade.
E me afogaria nesse mar de amor.

ECLIPSE TOTAL


(RÔ Campos)

Eu não vou mentir.
Ontem senti um desejo
De calar a tua boca linda,
Segurar o teu sorriso com meus lábios,
Misturar nossas salivas.

Te confesso, eclipsei
Com o teu jeito, que nem sei dizer.
Fiquei ali te ouvindo...
E mais e mais crescia o desejo
De roubar um pouco do teu mel.

Como este mundo é engraçado.
Me disseste que já tinhas vindo aqui
Outras duas ou três vezes.
Oh, my God! Como é possível!
E eu nunca ter te visto?

Temos um encontro marcado
Trinta dias pela frente.
Oh, my God!! Tá tão longe!
Desde ontem estou nas nuvens,
Sonhando como sonham os anjos.

O INFERNO É ROCK IN ROLL... E É PRA LÁ QUE EU VOU

(RÔ Campos)

Mamãe, se eu partir
Antes de ti,
Por favor, mamãe,
Não peças o céu pra mim.

Ai, que horror, mamãe!
Fechar os olhos na terra
E abri - los lá no céu,
Só porque "Deus" te atendeu.
Tenha pena de mim.

Deparar-me com os ungidos,
Seguidores dos Bolsonaros,
Felicianos, Malafaias.
Mamãe, teu filho não merece esse castigo.

Mamãe, o céu já está vendido.
Eu quero mesmo é queimar
No fogo eterno do inferno.
Encontrar com Amy e Janis Joplin
Elvis e Michel Jackson

Gritar: Toca Raul!
"Guitá! Guitá! Guitá!
"Viva! Viva a sociedade alternativa"
Com aquela guitarra distorcida.

Imagine! Mamãe! Imagine!
Um mundo sem guerra,
Paz e amor.
E muito Rock in roll.
E muito Rock in roll.

QUEM AMA TAMBÉM DEIXA IR EMBORA


(RÔ Campos)

Não, meu amor,
Eu não vou chorar,
Nem vou te pedir
Para ficar aqui comigo

Já faz tanto tempo, eu bem sei,
Que a memória já vai longe,
De quando foi a última vez
Que o mesmo lençol nos cobriu.

Nada vou te cobrar, eu prometo.
E nada tenho para te pedir,
Se já não tens mais motivo algum
Para seguires junto a mim...

Eu sei, meu amor, eu bem sei,
Pressinto o crepúsculo lá fora.
Meu coração quer correr.
Já está chegando a hora

Mas saiba, meu amor,
Eu não vou chorar,
Nem vou te pedir pra ficar.
Quem ama também deixa ir embora...

segunda-feira, 15 de junho de 2015

CREPÚSCULO


(RÔ Campos)

Corre, vem pra rua
Já desponta a manhã
E o sol já corre solto
Se abrindo, sorrindo
Com seus dentes de ouro.

Corre, vem pra rua
Que o sol já vai embora
Como uma bola de fogo
Vai sumindo lentamente
Enquanto a noite se derrama.

Corre, vem pra rua
Que o sol já se pôs
Tingindo o céu de arrebóis.
Corre, que já vem surgindo a lua
Linda, pura, toda nua.

Corre, meu amor
Vem ver a vida
Não demora e o sol se põe
Corre, meu amor
Que a vida é curta
Não demora e a noite cai.

sábado, 13 de junho de 2015

NA PRIMEIRA VEZ


RÔ Campos)

Meus olhos saem te seguindo por aí,
Mesmo sem saber aonde ir.
Eu bem sei todo caminho tem um fim,
Mas, afinal, nem todo fim é o final.
Quem sabe lá no fim uma interseção,
Um outro caminho que me leve a ti.

Meus olhos saem te seguindo por aí,
Em meio a total escuridão.
Eu bem sei dos perigos desta vida,
Em cada porto, em cada esquina.
Mas meus olhos se enchem de luz
E o medo logo vai embora,
Só em lembrar que no meio dessa mata escura
Eu muito já andei e me perdi e me achei,
Desde o dia em que te vi pela primeira vez.


Créditos foto: Kydroges Roges

MAL DE AMAR


(RÔ Campos)

Não, não me venhas dizer
Sobre a dor de um amor,
Sobre o que é o sofrer.
Não, eu não quero te ouvir,
Eu não vou permitir
Uma tal invasão.

Tantas, já foram as vezes
Que eu por ti revirei e virei
Do avesso o meu coração.
Agora, mil desculpas, querido,
Não queiras dividir comigo
A dor desse amor que é só tua.

Vai, te pranteia com a lua,
Pois o meu coração já cansou
De amar, de sofrer, de querer
O que o outro não quer.

Vai, te pranteia com a lua,
Te casa com a rua,
Pra curar esse mal de amar,
De sofrer, de querer
O que o outro não quer.

TOM MAIOR




(RÔ Campos)
O teu sorriso
É quem me diz,
Sim,
Nesta vida
A gente pode
Ser feliz.

Tua pureza
É quem lapida
A força bruta
Que às vezes
Ergue os braços
Dentro de mim.

O teu caminho
É quem traz luz
À minha estrada,
Às vezes cheia,
Às vezes rasa.

A tua vida
É quem me deu
A nota,
O tom Maior
A harmonia,
Que vibra em mim.

ESPANTO

(RÔ Campos)

A vida às vezes me causa espanto. Por isso, de quando em vez me sinto assim, sei lá, e o universo parece desabar sobre mim.
Há muita coisa estranha. Há muita gente estranha. Mas... me resta o meu cantar. E também asas que me levam a voos altaneiros. E o que era estranho não me causa mais espanto. E o que era triste agora é alegre.
Créditos da foto: Kydroges Roges.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

TEU E MEU


(RÔ Campos)

Meu eterno namorado
Um amor traçado sem paixões
Quando nossos olhos se cruzaram
Meu coração casou com o teu.

Meu eterno namorado
Um sorriso encantador
Solto na boca de menino
Que na minha boca se jogou.

Ainda que eu viva a vagar... de bar em bar
Ainda que outras bocas perdidas eu beije
Teu coração de menino será em mim
E meu coração peregrino será só teu.

domingo, 7 de junho de 2015

NÃO ME DEIXES IR

(RÔ Campos)

Não me deixes ir
Pede-me pra ficar
Na verdade eu não quero partir
O mundo lá fora, sei lá.

Ainda ontem tentei te falar
Não sei por que não me queres ouvir
Talvez, teu amor já morreu
Mas o meu não se cansa de amar.

Por isso hoje eu estou aqui
Mais uma vez quero te dizer
Esse adeus não sou eu quem vai dar
Minhas mãos estão presas a ti

Como vou viver
Só eu, sem você
Já me acostumei
E não dá mais pra esquecer esse amor.

Não me deixes ir
Pede-me pra ficar
Como naquela outra vez
Que erraste mas contigo fiquei.

Não me deixes ir
Pede-me pra ficar
Na verdade eu não quero partir
O mundo lá fora, sei lá.

TANTA COISA

(RÔ Campos)

Hoje acordei meio assim,
Tantas coisas fora do lugar.
A cama feita e vazia
E o coração querendo falar.

Não sei o que há que me queima,
Feito brasa a me consumir.
Tenho desejo de tudo,
De vida, de mim e de ti.

Há dias de sol e de chuva.
Outros, em que me açoita o luar.
A cama feita e vazia,
Tanta coisa fora do lugar...

AS VOLTAS DO SOL E DA LUA

(RÔ Campos)

Quantas idas e vindas do sol?
Perdi a conta das vezes em que o sol se pôs e a noite caiu,
Tingindo o céu de arrebol.

Quantas voltas a lua já deu?
Já nem me lembro mais
Das vezes em que me perdi
Olhando a lua e perguntei por ti.

Mas enquanto o sol voltar
E tiver a lua no céu pra perguntar por ti,
Meu coração sempre vai bater,
Esperando por essas voltas que a vida dá...

FOCO NA VIDA

(RÔ Campos)

- Por quê?
- Quando?
- Quantos?
- Onde?
- Quem?
- Qual?
- O quê?

Ah, não se perca nas perguntas.
Foque na vida.
Arregace as mangas.
Vá à luta.
A vida é curta.